janeiro 30, 2012

Evidências II

Este tipo de preconceito irá ocorrer mais cedo ou mais tarde (a não ser que o mundo actual impluda). Vai ser curioso ver filósofos e cientistas a torcerem-se para negar a evidência crescente de comportamento consciente da parte da nossa futura Inteligência Artificial. Algo similar está hoje a ocorrer com as discussões sobre o liver arbítrio contra a evidência da neurociência.

janeiro 26, 2012


Como pode uma economia sustentável ser compatível com a exigência de crescimento constante? Uma economia que tem de crescer para existir não lida bem com limites ou fronteiras. Só que o mundo é este, tem um volume fixo, e há décadas que usamos mais do que a sua capacidade natural de regeneração. A tecnologia e a ciência também têm limites humanos e económicos, e é provável que tenhamos, neste domínio, já entrado em ganhos decrescentes. Se, por azar nosso, uma economia sustentável for similar a um ecossistema, como parar, dar um passo atrás, como travar este comboio desgovernado que insistimos em acelerar?

janeiro 23, 2012

The Moon Is A Harsh Mistress (2/2)

"Comrade Members, like fire and fusion, government is a dangerous servant and a terrible master. You now have freedom--if you can keep it. But do remember that you can lose this freedom more quickly to yourselves than to any other tyrant. Move slowly, be hesitant, puzzle out the consequences of every word. I would not be unhappy if this [constitutional] convention sat for ten years before reporting--but I would be frightened if you took less than a year.
"Distrust the obvious, suspect the traditional . . . for in the past mankind has not done well when saddling itself with governments. For example, I note in one draft report a proposal for setting up a commission to divide Luna into congressional districts and to reapportion them from time to time according to population.
"This is the traditional way; therefore it should be suspect, considered guilty until proved innocent. Perhaps you feel that this is the only way. May I suggest others? Surely where a man lives is the least important thing about him. Constituencies might be formed by dividing people by occupation. . . or by age. . . or even alphabetically. Or they might not be divided, every member elected at large---and do not object that this would make it impossible for any man not widely known throughout Luna to be elected; that might be the best possible thing for Luna.
"You might even consider installing the candidates who receive the least number of votes; unpopular men may be just the sort to save you from a new tyranny. Don't reject the idea merely because it seems preposterous--think about it! In past history popularly elected governments have been no better and sometimes far worse than overt tyrannies.
"But if representative government turns out to be your intention there still may be ways to achieve it better than the territorial district. For example you each represent about ten thousand human beings, perhaps seven thousand of voting age--and some of you were elected by slim majorities. Suppose instead of election a man were qualified for office by petition signed by four thousand citizens. He would then represent those four thousand affirmatively, with no disgruntled minority, for what would have been a minority in a territorial constituency would all be free to start other petitions or join in them. All would then be represented by men of their choice. Or a man with eight thousand supporters might have two votes in this body. Difficulties, objections, practical points to be worked out--many of them! But you could work them out. . . and thereby avoid the chronic sickness of representative government, the disgruntled minority which feels--correctly!--that it has been disenfranchised.
"But, whatever you do, do not let the past be a straitjacket!
"I note one proposal to make this Congress a two-house body. Excellent--the more impediments to legislation the better. But, instead of following tradition, I suggest one house legislators, another whose single duty is to repeal laws. Let legislators pass laws only with a two-thirds majority . . . while the repealers are able to cancel any law through a mere one-third minority. Preposterous? Think about it. If a bill is so poor that it cannot command two-thirds of your consents, is it not likely that it would make a poor law? And if a law is disliked by as many as one-third is it not likely that you would be better off without it?
"But in writing your constitution let me invite attention the wonderful virtues of the negative! Accentuate the negative! Let your document be studded with things the government is forever forbidden to do. No conscript armies . . . no interference however slight with freedom of press, or speech, or travel, or assembly, or of religion, or of instruction, or communication, or occupation. . . no involuntary taxation. Comrades, if you were to spend five years in a study of history while thinking of more and more things that your governinen should promise never to do and then let your constitution be nothing but those negatives, I would not fear the outcome.
"What I fear most are affirmative actions of sober and well-intentioned men, granting to government powers to do something that appears to need doing."
Robert A. Heinlein - The Moon Is A Harsh Mistress

janeiro 19, 2012

The Moon Is A Harsh Mistress (1/2)

[...]But I'm no Marxist; we Fifths have a practical program. Private where private belongs, public where it's needed, and an admission that circumstances alter cases. Nothing doctrinaire."
"Capital punishment?"
"For what?"
"Let's say for treason. Against Luna after you've freed Luna."
"Treason how? Unless I knew the circumstances I could not decide."
"Nor could I, dear Wyoming. But I believe in capital punishment under some circumstances. . . with this difference. I would not ask a court; I would try, condemn, execute sentence myself, and accept full responsibility."
"But--Professor, what are your political beliefs?"
"I'm a rational anarchist."
"I don't know that brand. Anarchist individualist, anarchist Communist, Christian anarchist, philosophical anarchist, syndicalist, libertarian--those I know. But what's this? Randite?"
"I can get along with a Randite. A rational anarchist believes that concepts such as 'state' and 'society' and 'government' have no existence save as physically exemplified in the acts of self-responsible individuals. He believes that it is impossible to shift blame, share blame, distribute blame. . . as blame, guilt, responsibility are matters taking place inside human beings singly and nowhere else. But being rational, he knows that not all individuals hold his evaluations, so he tries to live perfectly in an imperfect world. . . aware that his effort will be less than perfect yet undismayed by self-knowledge of self-failure."
Robert A. Heinlein - The Moon Is A Harsh Mistress

janeiro 17, 2012


"Anyone of any persuasion ought to be able to acknowledge that economic logic indicates that imposing a price ceiling on milk will, other things equal, create a shortage of milk. But that in itself is not an argument against the policy. Mises assumed the policymaker would have thought that result bad, but the economist qua economist cannot declare it such. As Israel Kirzner likes to say, the economist’s job in the policy realm is merely to point out that you cannot catch a northbound train from the southbound platform." - Sheldon Richman

janeiro 16, 2012


No corporativismo está implícito um desvalorizar sistemático da verdade dos factos e da justiça das situações. Quando polícias, professores, magistrados, sindicatos ou outras corporações protegem-se entre si e à priori numa narrativa monolítica, autista e desculpabilizante pagam o preço do Pedro e do Lobo: quando dizem a verdade, quando têm razão, poucos acreditam.

janeiro 12, 2012

Áreas de Influência

O Estado não devia ter qualquer ligação com a noção de casamento consensual entre pessoas adultas. E nas áreas em que existe essa ligação (como a adopção, a recolha de impostos, etc.) devia focar-se na noção de agregado familiar e não preocupar-se se as pessoas em questão apenas fazem sexo catolicamente correcto.

janeiro 09, 2012


"What we see of the real world is not the unvarnished real world but a model of the real world, regulated and adjusted by sense data - a model that is constructed so that it is useful for dealing with the real world. The nature of that model depends on the kind of animal we are. A flying animal needs a different kind of world model from a walking, a climbing or a swimming animal. Predators need a different kind of model from prey, even though their worlds necessarily overlap. A monkey's brain must have software capable of simulating a three-dimensional maze of branches and trunks. A water boatman's brain doesn't need 3D software, since it lives on the surface of the pond in an Edwin Abbott Flatland. [...] The point is that the nature of the model is governed by how it is to be used rather than by the sensory modality involved. [...] The general form of the mind model - as opposed to the variables that are constantly being inputted by sensory nerves - is an adaptation to the animal's way of life, no less than its wings, legs and tail are." Richard Dawkins - The God Delusion

janeiro 06, 2012


janeiro 03, 2012


O livre-arbítrio é um conceito filosófica e cientificamente estéril. Considerando qualquer situação passada, se repetíssemos o mesmo estado do mundo, agiríamos sempre da mesma forma. A evidência existente aponta de forma esmagadora para esta possibilidade. A não ser que aceitemos uma perspectiva dualista - e.g., a existência de uma alma imaterial - não há fundamentos para afirmar que as mesmas condições poderiam dar lugar a decisões diferentes. E actualmente, considera-se o dualismo como um conceito epistemologicamente inútil, tal como os deuses, a referida alma, o vitalismo ou o elã vital.

É comum, nesta temática, referir o problema do determinismo como ameaça ao livre-arbítrio. Por isso, os seus defensores tentam minar a afirmação do determinismo, levantando dúvidas e argumentos à sua existência mais ou menos relevantes. Os dois lados podem concordar num ponto: nunca teremos a certeza que o mundo é determinista. A noção de certeza é uma assimptota, um ideal ao qual apontamos como objectivo mas que não chegamos a alcançar. Nunca teremos a certeza sobre um certo X mas podemos, com esforço e método, chegar a um ponto ao qual afirmamos X muito para lá da dúvida razoável. Este tipo de certeza ocorre no corpo de conhecimento de disciplinas como a física, a química ou a biologia. E a maioria desse conhecimento aponta para um mundo determinista. Os poucos casos na teoria clássica que parecem indeterministas, como as singularidades nuas entre outras situações patológicas, estão tão afastadas do nosso universo local (assumindo que realmente existem), são tão pouco relevantes no nosso dia-a-dia, que não encerram força argumentativa na discussão da cognição humana. Situações potencialmente locais, como o choque simultâneo de três corpos, se bem que não deterministas no contexto clássico, são eventos de probabilidade negligenciável (correspondem a conjuntos de eventos de medida nula).

O último reduto de indeterminismo parece ser a teoria quântica. Não na dinâmica resultante das suas equações, que é totalmente determinista, mas no acto de interferência ou observação. A interpretação de Copenhaga é manifestamente não determinista mas admiti-la levanta demasiados problemas sendo alvo de muita controvérsia desde o início da sua formulação. Já a interpretação de muitos mundos (many-worlds) defende que nada de mais acontece para lá da dinâmica determinista da equação de Schrödinger. Para explicar o aparente não-determinismo resultante do acto de observação, esta interpretação refere apenas que nós vivemos apenas em um de múltiplos ramos da dinâmica quântica. É deixado intocado o determinismo que já se encontrava nas equações, sacrificando para isso a nossa capacidade última de observação, uma perspectiva menos antropocêntrica e mais racional que a interpretação de Copenhaga. Mas, mesmo assumindo a interpretação de Copenhaga, é difícil imaginar como um evento não-determinista no mundo sub-atómico possa resgatar um conceito tantos níveis de abstracção acima como é o processo de decisão de uma mente humana (ou seja, como o arbítrio quântico se transforma em arbítrio humano?).

Há também quem argumente de acordo com a ideia que o mundo não pode ser determinista porque isso implicaria o colapso das noções de liberdade e de responsabilidade individual. Mas esta linha argumentativa é um non sequitur. O mundo é o que é. Uma ameaça à civilização, por mais grave ou iminente que seja, não tem qualquer efeito sobre a natureza do mundo externo. E, de qualquer forma, estes importantes conceitos não precisam ser abandonados:
  • A liberdade é a possibilidade de termos disponíveis mais escolhas e de agirmos de acordo com a nossa escolha preferencial. Isso não depende do mundo ser determinista: uma pessoa tem opções e age segundo elas, seja o processo de decisão determinista ou não (aliás, um processo demasiado não determinista seria, este sim, uma ameaça a regras sociais estáveis);
  • A responsabilidade é um conceito social. Ela é julgada moral e socialmente de acordo com as regras da sociedade em questão. E mais uma vez, isso não depende da natureza ontológica do mundo externo. Depende sim dos diversos modelos - sociais, científicos, éticos, religiosos - que a sociedade partilha e utiliza no seu dia-a-dia. É natural que novo conhecimento seja incorporado na sociedade e altere a sua perspectiva, como a moderna noção de inimputabilidade de certos doentes mentais. Mas, em última análise, as sociedades têm de ser capazes de manter um mecanismo coerente e sustentável de responsabilidade individual, qualquer que seja o conhecimento adquirido. A justiça, tradicionalmente o corpo social que formaliza e gere conflitos de responsabilidade, é um corpo independente. Ela recebe ajuda da ética, da ciência e da lógica, mas não depende delas para se fundar e funcionar.
Temos cada vez melhores modelos sobre o mundo, o cérebro humano e a forma como a mente funciona e interage. Cada vez mais parecem vazias ou incoerentes noções como o livre-arbítrio e o não-determinismo. Cada vez mais as discussões filosóficas nestes temas se parecem com as discussões sobre anjos ou almas da teologia antiga. Este é apenas mais um campo onde as discussões foram esvaziadas de significado pelo progresso do conhecimento humano.